sexta-feira, 9 de maio de 2008

Pedaços do Minho

Ausente de um bem que adoro
Que contente posso eu estar,
De dia ando sempre triste
De noite a imaginar,

A ausencia tem uma filha
Que tem por nome a saudade,
Eu sustento mãe e filha
Bem contra a minha vontade.

Se as saudades matassem
Muita gente morreria,
Mas as saudades não matam
Senão ao primeiro dia.

O serpão é miudinho
Com a folha sobre o chão,
Tambem as tuas ausencias
Cobrem o meu coração.

«O Minho Pittoresco»

4 comentários:

Júlia Moura Lopes disse...

lindo postal,Cristina! :-)

beijinho

cristina ribeiro disse...

Não é, Júlia?
Este era ainda o traje de todos-os-dias da minha avó.
Beijinho

O Réprobo disse...

Querida Cristina,
muito curioso. Aquele item de vestu�rio alaranjado � uma pe�a fechada, ou � un sistema de faixas cruzadas?
E a quadra da filia�o da Saudade na Aus�ncia d� voz a uma elabora�o po�tica pouco comum nas quadras ppulares.
Beijo

cristina ribeiro disse...

Acho estes vestidos lindos, Paulo. E a minha avó sempre vestiu assim, só que com outras cores conformes com as várias fases da vida.
Também reparei nessa elaboração cheia de poesia,
Beijo