terça-feira, 27 de maio de 2008

Provocações que não o deveriam ser


Resolvi meter para aqui uma mini provocação em termos de moralidade social porque acho o debate que actualmente se faz no main stream passa ao lado dos assuntos relevantes. A homossexualidade está relegada a causa fracturante – expressão profundamente cretina, no mesmo nível que a do politicamente correcto, que designa basicamente acções que são moralmente correctas mas que custariam votos, ou seja, vulgo calculismo eleitoral do governo (seja ele qual for) e moralismo de trazer por casa da oposição.

Hesitei em colocar uma imagem tão explicita como esta num espaço que não é apenas meu mas penso que vai directa ao assunto que um perspectiva puramente intelectualizada não iria. Estou farto de entrar em debates da treta em que se tem que defender a moralidade de qualquer relação entre pessoas do mesmo sexo – estão no mesmo nível da defesa da igualdade racial ou sexual – quando a questão passa por algo que não recorre a qualquer argumento. Já que não falamos de argumentação sinceramente proponho mais uma solução retributiva... que a maioria dos homofobicos deveria ser sodomizada regularmente por duas razões:

- Neutralizava os casos de armário que povoam os sectores conservadores.
- Dava uma razão real a esse grupo para ter um ódio tão visceral à coisa.

7 comentários:

Anônimo disse...

Parece uma falsa questão, porque hoje já ninguem liga a essas coisas. cada um na sua.
JPA

Nuno Castelo-Branco disse...

Provocação era exibires uma criação do Jeff Koons com a Cicciolina, hipótese a descartar, dada a natureza hiperrealista das obras. Bom, quanto à tua questão, creio que se trata afinal de uma "causa não fracturante" e para chegarmos a esta conclusão, basta abrir o livrinho que na capa tem escrita a palavra Constituição. Logo nas primeiras páginas, surgem os direitos e garantias e o princípio de não discriminação. O problema que temos em Portugal, será decerto a prolixidade legislativa que não encontra paralelo no cumprimento da lei. É simples. Se a conversa se alongar às parcerias, aí penso que alguns - nem todos - conservadores, deviam adoptar uma posição mais pragmática e encarar as uniões de facto de forma alargada e sem pavores injustificados. É que esse princípio, evitava-lhes certas cerimónias de índole meramente folclórica que nada mais fazem que acirrar casmurrices. Quanto ao resto, é do foro meramente privado.

Pedro Fontela disse...

JPA,

Em que mundo é que isso é verdade? Neste??


Nuno,

A constituição que temos deixa-me satisfeito em quase todos os aspectos mas como dizes e bem o espaço entre a realidade e o documento costuma ser grande... Quanto ao resto não concordo nada contigo que seja algo meramente privado. Toda a vivência afectiva tem uma faceta social que deve ser vivida em paz e normalidade e neste momento isso está ultra reprimido em Portugal. Aliás todo o tratamento dado ao tema em terras lusas é pateticamente insuficiente e visa apenas dar boa imagem lá para fora ou garantir um ou outro voto pela fama de serem "progressistas". É preciso normalizar a vivência da diferença e isso implica um nivel de civilização cosmopolita que pelos vistos ainda não somos capazes de mostar.

mike disse...

Um tanto ou quanto radical, essa proposta, caro Pedro...

Anônimo disse...

Então, é o mesmo quanto ao défice, não? Para "inglês" ver?

Samuel de Paiva Pires disse...

Concordo com o Mike caro Pedro! Há que atender às especificidades da nossa sociedade. Às elites caberá sempre o papel de dar o exemplo e actuar na vanguarda, liderando os processos de transformação de mentalidades, principalmente quanto aos chamados temas tabu, até porque a grande maioria dos portugueses são conservadores quanto a esse tema. Por mim, digo apenas que não tenho nada contra os homossexuais, tenho sim contra os chamados "bichas". Já quanto a casamento e adopção, parece-me, mais uma vez, que é preciso ter em consideração a potencial instabilidade social que tal poderia causar na nossa sociedade. Não é boa nem má, retrógada ou avançada, é simplesmente a sociedade que temos...

Anônimo disse...

Olha a síndrome de identidade sexual e a disforia de genero aí minha gente . Transsexualismo é uma doença , e qual a diferença para o homossexualismo ? Um se veste como o sexo oposto o outro não . Se não tem diferença os dois são doentes mentais ???? kkkkk