domingo, 4 de maio de 2008

A religião é o ópio do povo - ou o raio que parta o caso Maddie Mccan

Se no tempo de Hegel a religião era o ópio do povo, estou em crer que hoje será a televisão, a internet, em suma, a comunicação e o efeito mediático. Só assim se justifica o que se passa em torno dos Mccann. Já não posso ver nem ouvir falar da Maddie. Coitada da miúda nem sabia que se ia tornar num negócio, ou numa espécie de religião com um batalhão de gente que não se cansa de pensar e falar nela. Com tantas crianças que desaparecem todos os dias, ainda estou para tentar perceber o que é que provocou todo este efeito em volta deste caso...

4 comentários:

Mike disse...

As audiências, caro Samuel. As malditas audiências. Tudo o resto é sinismo e hipocrisia.

Pedro Fontela disse...

No fundo não penso que seja isso... é o entretenimento que leva as pessoas a esses frenesins mediáticos. A abstracção das suas próprias vidas frustrantes e frustradas.

Samuel de Paiva Pires disse...

Sem dúvida Mike, ninguém estará verdadeiramente preocupado com a Maddie, pelo menos da parte da imprensa cada vez mais sensacionalista.

Mas Pedro é aliada às audiências que surge essa mesma a vertente do entretenimento das massas, que levam de facto à exploração até à exaustão de casos como este. No fundo junta-se a fome com a vontade de comer, como diz o dito popular...

Paulo Soska Oliveira disse...

Ainda o Jorge de Sá te irá servir para alguma coisa :)