sexta-feira, 16 de maio de 2008

Adivinha de sexta-feira

É uma fotografia pouco conhecida. Façam o favor de dizer quem é, enquanto escutam a música no post em baixo. Oferece algumas pistas.

6 comentários:

Joana Pereira disse...

Há bastante tempo que visito este blogue fantástico. Penso que a fotografia é de S. M. a Rainha D. Amélia. No caso de ter acertado, gostaria de saber se me autoriza a publicá-la num espaço monárquico.

Cordiais cumprimentos.

Joana pereira disse...

Aproveito para perguntar ao caríssimo Nuno Castelo-Branco se o retrato que pintou de D. Pedro V faz parte de alguma colecção particular ou se, pelo contrário, está algures acessível ao público.

Descobri o quadro em questão no blogue "Combustões" e achei-o incrível. A perfeição da mão direita deixou-me uns bons minutos a contemplá-la. Parabéns!

Nuno Castelo-Branco disse...

Com certeza que pode publicar onde quiser, Joana. A rainha merece bem que a sua memória seja lembrado como exemplo de honestidade, patriotismo e abertura aos novos tempos. Devemos-lhe muito.
Esta foto surgiu numa reportagem de Leitão de Barros, na Revista O Século Ilustrado, nos anos 30. Aproveite e divulgue. Exactamente neste momento, habitava o seu quarto em Belém, a "generala" Carmona. Veja as diferenças...

joana pereira disse...

Esta foto era inédita para mim. Apesar de as feições me parecerem as da Rainha D. Amélia, confesso que foi o colar de pérolas com que a Rainha andava muitas vezes (e que lhe fora oferecido por D. Carlos) que me fez ter um pouco mais de convicção sobre quem se tratava.

Agradeço-lhe as informações acerca da fonte da imagem.

Nuno Castelo-Branco disse...

Joana, envie-me o seu e-mail que terei todo o gosto em dar-lhe uma foto do D. Pedro V (que pertence a um decorador) e de um D. Miguel que ainda não viu.
O meu e-mail é ncb@sapo.pt

*nota: no comentário anterior, dizia seja lembrada e não lembrado. Tenho a mania de não corrigir os textos e depois...

leonidas disse...

para quem ainda não captou, trata-se da unica foto onde a rainha não aparece de negro, após o regicidio

tenho alguma dificuldade em aceitar que seja realmente da decada de 20, não fosse o facto de advir de uma fonte credivel

bem haja