terça-feira, 22 de abril de 2008

Pensamento (2)


A ler «Diário Quase Completo», de João Bigotte Chorão, de uma forma aleatória e intervalada, por sentir assim mais proveitosa a leitura de um livro recheado de sabedoria empírica, deparo no escrito no dia do mês correspondente ao de hoje, mas de 1965, com a frase "Céu nublado. Chuva. Como estas nuvens hostis, assim os homens- certos homens- nos ocultam a límpida face do céu."
Até no clima a tradição se mantém...

8 comentários:

O Réprobo disse...

Com a agravante de que, fora de fotografias belas como esta, os muros da vida não estejam revestidos das cores da Esperança.
Beijo, Querida Cristina

Nuno Castelo-Branco disse...

Poius é Cristina, o meu post também tem algo a dizer quanto a isso, não acha? :)

Nuno Castelo-Branco disse...

Pois é, queria dizer...

cristina ribeiro disse...

...e o fundo do poço, escuro, cada vez mais mais próximo...
Beijo

cristina ribeiro disse...

É o tal enquistamento aduzido pelas "nuvens hostis",Nuno, que ocultam aquilo que de límpido pode, e deve, haver no País...

P.S. Prometo que quando vier cá cima o muro não terá a assombrá-lo nuvens, pelo menos nuvens escuras :)

cristina ribeiro disse...

Errata: ensombrá-lo...

Júlia Moura Lopes disse...

O Paulo disse e muito bem.

de uma forma tão simples e concisa conseguiu dizer tanto e ainda lhe acrescentou um pouco de beleza.

beijinho,Cristina..

cristina ribeiro disse...

É mesmo, Júlia.Assim se prova, mais uma vez, que os homens andariam muito bem em imitar a natureza...
Beijinho