sábado, 21 de junho de 2008

Escrevê-las,

sentindo cada palavra, porque quero " estar presa por vontade", "amar, amar perdidamente", e poder dizê-lo, porque, como Fernando Pessoa, me direi "afinal, só as criaturas que nunca escreveram cartas de amor é que são ridículas"...

5 comentários:

José M. Barbosa disse...

Pois...

Não é ?

É.

cristina ribeiro disse...

É.

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Não gosto nada de ser ridículo. Mas não me importo que me achem ridículo por escrver cartas de amor. Escrevi muitas e hoje, quando releio algumas, sinto-me feliz por as ter escrito.
O amor- e a amizade- são as coisas melhores que a vida nos oferece. Para quê zombarmos disso?

cristina ribeiro disse...

Pois...

José M. Barbosa disse...

Não me faça rir.