sexta-feira, 28 de março de 2008

Fernanda de Castro

No passado mês de Agosto, o Paulo Cunha Porto, do blogue As Afinidades Efectivas, lançou um repto muito interessante aos seus leitores: se pudéssemos falar com personagens do passado, com quem quereríamos dialogar- respondi que uma dessas pessoas seria Vitorino Nemésio, e a outra era Fernanda de Castro, autora do primeiro livro que li, nas minhas primeiras férias escolares, acabada a primeira classe, numa altura em que ainda era o meu pai quem me seleccionava as leituras- «Mariazinha em África».
E lembrei-me agora dela porque, ao fazer uma busca no Google deparei com um seu poema, num blogue que lhe é dedicado:

Asa no espaço, vai pensamento!
Na noite azul, minha alma flutua!
Quero voar nos braços do vento
Quero vogar nos barcos da Lua!

Vai minha alma, branco veleiro
Vai sem destino, a bússola tonta
Por oceanos de nevoeiro
Corre o impossível, de ponta a ponta

Quebra a gaiola, pássaro louco
Não mais fronteiras, foge de mim
Que a terra é curta, que o mar é pouco
Que tudo é perto, princípio e fim.

Castelos fluidos, jardins de espuma
Ilhas de gelo, névoas, cristais
Palácios de ondas, terras de bruma
Asa, mais alta, mais alta mais


Bonito, não?

6 comentários:

Mike disse...

Bonito, sim.

José M. Barbosa disse...

É tão tocante a forma como escreve como o poema de Fernanda Castro.
Irrepreensível e inteligente.

Z.

av disse...

Tive uma relação muito próxima com o universo familiar de Fernanda de Castro, por isso esta evocação toca-me especialmente. Vale a pena ler as suas Memórias, 2 volumes de uma vida cheia e muito interessante.
Um beijinho

cristina ribeiro disse...

Olá Mike! Ainda bem que gostou.
Confirma-se que o mar está bom para aproveitar as ondas? :)

José M. Barbosa, muito obrigada pelas palavras simpáticas.

Ana, que bom vê-la por aqui! sabe que está na minha lista de próxima leitura o «Ao Fim da Memória», que adivinho muito interessante?
Beijinho

O Réprobo disse...

Querida Cristina, posso ser o Dupond da "Ana V. Dupont"? Eu diria ainda mais
Vale a pena ler as suas Memórias, 2 volumes de uma vida cheia e muito interessante.
Conhece o belo poema dela sobre a Maternidade?
Beijo

cristina ribeiro disse...

Paulo, bastavam estas duas recomendações para ler »Ao Fim da Memória», por confiar inteiramente no vosso espírito crítico!...

No blogue que ontem encontrei-penso que propriedade de um familiar, pois que também tem um sobre António Quadros-tem vários poemas, mas esse não conheço
Beijo